Recondito Eu do Universo


Adoro-te,

 recôndito Eu do universo, alma do Todo, 
Meu Pai e Pai de todas as coisas,
minha respiração e respiração de todas as coisas.
Adoro-te, indestrutível essência, 
sempre presente no espaço, no tempo e além, no infinito.
Pai, amo-te, mesmo quando Tua respiração é dor, 
porque Tua dor é amor; mesmo quando Tua Lei é esforço, 
porque o esforço que tua Lei impõe 
é o caminho das ascensões humanas.

Pai, mergulho em Tua potência, nela repouso e me abandono, 
peço à fonte o alimento que me sustente.
Procuro-te no âmago onde Tu estás, de onde me atrais. 
Sinto-Te no infinito que não atinjo e donde me chamas. 
Não Te vejo e, no entanto, ofuscas-me com Tua luz; 
não Te ouço, mas sinto o tom de Tua Voz; 
não sei onde estás, mas encontro-Te a cada passo, 
esqueço-Te e Te ignoro, no entanto, 
ouço-Te em toda a minha palpitação. 

Não sei individuar-Te, mas gravito em torno de Ti, 
como gravitam todas as coisas, em busca de Ti, centro do universo.
Potência invisível que diriges os mundos e as vidas, 
Tu estás em Tua essência acima de toda a minha concepção. 
Que serás Tu, que não sei descrever nem definir, 
se apenas o reflexo de Tuas obras me enceguece? 
Que serás Tu, se  já me assombra 
a incomensurável complexidade desta Tua emanação, 
pequena centelha espiritual que me anima integralmente? 

O homem Te busca na Ciência, invoca-Te na dor, 
Te bendiz na alegria. 
Mas na grandiosidade de Tua potência, 
como na bondade de Teu amor, 
estás sempre além, 
além de todo o pensamento humano, 
acima das formas e do devenir, 
um lampejo do infinito.

No ribombar da tempestade está Deus; 
na carícia do humilde está Deus; 
na evolução do turbilhão atômico, 
na arrancada das formas dinâmicas, 
na vitória da vida e do espírito, está Deus. 

Na alegria e na dor, 
na vida e na morte, 
no bem e no mal, está Deus; 
um Deus sem limites, 
que tudo abarca, 
estreita e domina, 
até mesmo as aparências dos contrários, 
que guia para seus fins supremos.

E o ser sobe, de forma em forma, ansioso por conhecer-Te, 
buscando uma realização cada vez mais completa de Teu pensamento, 
tradução em ato de Tua essência.
Adoro-Te, supremo princípio do Todo, 
em Teu revestimento de matéria, 
em Tua manifestação de energia; 
no inexaurível renovar-se de formas 
sempre novas e sempre belas; 

eu Te adoro, conceito sempre novo, 
bom e belo, 
inesgotável Lei animadora do universo. 
Adoro-Te grande Todo, 
ilimitado além de todos os limites de meu ser.
Nesta adoração, aniquilo-me e me alimento, 
humilho-me e me incendeio; 
fundo-me na Grande Unidade, 
coordeno-me na grande Lei, 
a fim de que minha ação seja sempre 
harmonia, ascensão, oração, amor." 

A Grande Síntese - Cap 50





http://auxilioemocional.blogspot.com.br/ 
Que dos céus caiam chuvas de bençãos sobre ti,
que possas senti-las nas palmas da mão e conserva-las no
coração.
Grata por sua visita!

  "

Postar um comentário